Tarifa de transporte entre Teresina e Altos permanece sem acerto entre empresa e usuários

Ministério Público do Piauí debate situação do transporte público em reunião com Secretaria de Transporte, empresa e usuários

O Ministério Público do Estado do Piauí (MPPI), por meio do promotor de Justiça Paulo Rubens, da 2ª Promotoria de Justiça de Altos, realizou nesta segunda-feira (25), no auditório da instituição localizado no Centro de Teresina, reunião para debater a situação do transporte público na cidade de Altos.

No mês passado, a BR-343 foi interditada por um grupo de manifestantes do município de Altos, na entrada de Teresina. O protesto questionava o aumento da passagem de ônibus no translado entre as duas cidades. Com o reajuste tarifário, o preço subiu de R$ 5,00 para R$ 5,80 (valor da inteira) e de R$ 4,00 para R$ 4,50 (valor estudantil).

Após debates, os valores foram suspensos e ficou decido, de forma democrática, que o valor da tarifa ficaria mantido em R$ 5,80 (inteira) e R$ 3,50 (meia), em caráter provisório.

Durante a reunião, que também objetivava a resolução definitiva do reajuste tarifário, o secretário de Estado de Transportes, Guilhermano Pires, propôs a criação de uma comissão formada por representantes de diversos segmentos da sociedade para auditar a planilha de custos do transporte público de Altos. 

“A melhor forma de avançar nas discussões sobre o preço da passagem é criar uma comissão para que seja discutido o real custo do serviço”, disse Guilhermano Pires.

Francisco Barroso, representante da Empresa Expresso Barroso, que faz o trajeto entre as duas cidades, alega que a empresa possui altos gastos para manter o funcionamento do sistema e que não pode cobrar valor abaixo da atual tarifa.

O procurador-geral do município de Altos, Talmy Técio, informou que a prefeitura necessita de um levantamento para analisar a ampliação do limite do subsídio por parte do município.

“Existem empresas dispostas a negociar diretamente com os trabalhadores uma passagem justa. Não vamos pagar pelas despesas que a Expresso Barroso fez”, ressaltou José Claro, usuário do sistema de transporte.

Diante do impasse, o promotor de Justiça Paulo Rubens, afirmou que para a resolução do conflito, seria necessário a instauração de um inquérito civil público para a requisição das planilhas de custos e a fiscalização das atividades da comissão que será constituída.

“A tarifa permanecerá congelada em R$ 3,50 (valor estudantil), até a próxima reunião que deverá acontecer em até 30 dias”, pontuou o promotor.

Dê sua opinião:

Tags

Veja também: