Portal O Estado

Segregação incorreta de resíduos de saúde oferece riscos à saúde da população

O manejo adequado dos resíduos de serviços de saúde é essencial para garantir a proteção da população e do meio ambiente. Entenda

O manejo adequado dos resíduos de serviços de saúde é essencial para garantir a proteção da população e do meio ambiente. Dentre as etapas de gerenciamento está a segregação e o acondicionamento, ou seja, a separação e o armazenamento dos resíduos em sacos ou recipientes de acordo com suas especificidades.


É importante ressaltar que a segregação dos resíduos deve acontecer no momento e local de sua geração. Quando os resíduos de serviços de saúde não são segregados e acondicionados da maneira correta, os riscos de serem despejados em aterros, sem o tratamento prévio adequado é maior. Segundo o Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil 2017, 28% do que é coletado em hospitais, clínicas e demais geradores de resíduos de saúde não é submetido a processos de tratamento, contrariando as normas vigentes e legislação.


De acordo com Felipe Melo, consultor em tratamentos de resíduos da Sterlix Ambiental, é obrigação do gerador promover a segregação e armazenamento dos seus resíduos de forma correta, mas muitos estabelecimentos acabam permitindo que o lixo infectante seja descartado com o lixo comum, prejudicando a saúde de trabalhadores que ficam sujeitos à contaminação.


“É corriqueiro encontrar seringas e agulhas descartadas como lixo comum, quando na verdade devem ser tratados como lixo hospitalar. Isto é um perigo para a saúde pública. Coletores de lixo e catadores de aterros sanitários, por exemplo, podem se ferir com algum objeto perfurocortantes”, alerta Felipe.


De acordo com a resolução de N° 222/2018 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), resíduos como bolsas de sangue, sobras de amostras de laboratório, peças anatômicas (Grupo A) devem ser acondicionados em sacos ou recipientes nas cores vermelho ou branco leitoso e resistentes a vazamentos, além de estarem devidamente identificados, conforme a legislação. Os resíduos químicos (Grupo B) também devem ser embalados em sacos identificados por meio de símbolo e frase apontando a periculosidade do resíduo. Da mesma forma devem ser acondicionados os materiais perfurocortantes, como agulhas e lâminas, que também precisam ser descartados em recipientes devidamente identificados com a inscrição Resíduo Perfurocortante.

Dê sua opinião:

Tags

Veja também: