Portal O Estado

Primeira etapa da adutora do litoral deve ficar pronta em dezembro, avalia o Governo

Estrutura levará abastecimento de água aos municípios de Parnaíba, Ilha Grande, Luís Correia e Cajueiro da Praia.

O Governo do Piauí, por meio do Instituto de Desenvolvimento do Piauí (Idepi), retomou as obras da adutora do litoral piauiense. Desde o dia 2 de julho as obras estão em execução, com previsão para inauguração da primeira etapa ainda em dezembro de 2019 e conclusão total em junho de 2020. Um investimento de R$ 53.968.211,72, que irá garantir o abastecimento de água de residências, restaurantes e pousadas das localidades de Maramar, Macapá, Carnaubal e Sobradinho.

A continuidade da construção está sendo possível devido à liberação judicial da segunda parcela do empréstimo Finisa I. A obra foi iniciada em junho de 2017 e seria encerrada em 12 meses, mas foi interrompida em razão do bloqueio de recursos por decisão da 5ª Vara da Justiça Federal do Piauí. Uma decisão do desembargador federal Kássio Nunes Marques, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRT), derrubou a liminar de 1ª instância, autorizando à Caixa a repassar a verba.

De acordo com o diretor do Idepi, Leonardo Sobral, a retomada das obras do Sistema de Abastecimento e Esgotamento Sanitário do Litoral do Piauí é um dos maiores investimentos a serem realizados com os recursos do Finisa, no qual envolvem um planejamento integrado de ações para promover o abastecimento de água de sedes e localidades nos municípios litorâneos de Parnaíba, Ilha Grande, Luís Correia e Cajueiro da Praia, onde residem cerca de 200 mil habitantes no total.

“Quando iniciamos essa nova gestão, o governador nos pediu para darmos prosseguimento às grandes obras, essas são custeadas por convênios federais, por meio do Ministério do Desenvolvimento Regional e agora com o Finisa, que foi uma grande vitória conquistada pela nossa equipe econômica e por meio desses recursos pudemos retomar as obras da autora do litoral, que é uma grande obra, que beneficiará todos os municípios da planície litorânea, sendo possível levar água às praias do Coqueiro, Maramar, Carnaubal e Barra Grande”, afirmou o diretor.

A obra encontra-se com, aproximadamente, 70% das extensões concluídas e é uma grande necessidade para a população e desenvolvimento da região. Segundo Leonardo Sobral, a prioridade é concluir no tempo previsto. “Nosso objetivo é concluir e trazer para a população os benefícios dessas grandes obras que estão sendo executadas. A determinação do governador para dar prosseguimento, fiscalizar e, assim, concluir as obras que já haviam sido iniciadas na liberação da primeira parcela do Finisa e que, infelizmente, diante dessa judicialização, tiveram que ser paralisadas e agora foram devidamente retomadas”, comenta o gestor.

Além das obras da adutora, os recursos estão possibilitando investimentos em mobilidade urbana em diversos municípios do estado. “Serão R$ 25 milhões em pavimentação de paralelepípedo e R$ 20 milhões em obras estruturantes, acomodando todas as regiões do Piauí. Temos investimentos previstos para as rodovias: estamos concluindo a rodovia que liga Brejinho a Cocal, que possibilitará aos turistas chegar de forma mais rápida ao município de Cajueiro da Praia; estamos ainda em fase de execução da rodovia que liga a PI-111 até o Parque Nacional Sete Cidades. Então, para o estado do Piauí foi muito importante que esses recursos tenham sido destravados, em um momento de crise econômica nacional e o resultado é esse: grandes obras sendo realizadas pelo Governo do Estado”, destacou o diretor.

O Governo do Piauí calcula que 7,5 mil empregos diretos serão gerados nos próximos meses com a retomada de mais de 400 obras em 158 municípios. A retomada dos serviços movimenta toda a cadeia produtiva. O Estado paga as construtoras, que contratam trabalhadores. Esses, por sua vez, passam a consumir e movimentam o comércio, que vende mais e, por isso, compra mais dos fornecedores, seja indústria ou agricultura.

Dê sua opinião:

Tags

Veja também: