Portal O Estado

Bolsonaro terá reuniões no Japão com Trump e Macron, informa Planalto

Previsão de reuniões bilaterais com presidentes dos EUA e da França foi incluída na programação de Bolsonaro durante cúpula do G20. Encontro em Osaka ocorre na sexta (28) e no sábado (29).

Em sua primeira participação na cúpula de líderes do G20, em Osaka (Japão), o presidente Jair Bolsonaro tem previsão de se reunir com os presidentes dos Estados Unidos, Donald Trump, e da França, Emmanuel Macron.

As reuniões com os dois líderes estrangeiros foram incluídas na previsão de agenda de Bolsonaro, conforme a assessoria do Palácio do Planalto. O presidente também tem previsão de se reunir com o presidente da China, Xi Jinping, e com o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi.

Bolsonaro embarcou na noite de terça-feira (25) para Osaka, onde fará sua estreia como presidente da República na cúpula do G20. O grupo reúne as principais economias do mundo.

Conforme o governo brasileiro, crescimento econômico, protecionismo e tensões comerciais estão entre os principais desafios da cúpula deste ano.

O encontro mais esperado no Japão será entre os presidentes Donald Trump e Xi Jinping, já que Estados Unidos e China travam uma guerra comercial por meio do aumento de tarifas de importação e do subsídio à produção de ambos os lados.

Trump e Macron

Segundo o Planalto, Bolsonaro tem previsão de se reunir com Macron e Trump na sexta-feira. O primeiro encontro será com o presidente francês, às 2h25 (horário de Brasília) e o segundo com o chefe norte-americano, às 3h15.

Bolsonaro terá o segundo encontro com Trump desde que assumiu a Presidência, em janeiro. Defensor de uma aproximação com os Estados Unidos, o brasileiro viajou em março a Washington e foi recebido na Casa Branca por Trump.

O governo brasileiro já liberou turistas norte-americanos da necessidade de visto para entrar no Brasil, enquanto Trump apoia entrada do Brasil na Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) e notificou o Congresso de seu país que pretende designar o Brasil aliado prioritário extra-Otan.

Dê sua opinião:

Tags

Veja também: