Portal O Estado

Audiência discute situação das famílias desabrigadas do Parque Rodoviário

De acordo com o deputador Henrique Pires, a demora no desenrolar de situações burocráticas, está prejudicando as famílias.

Uma audiência proposta pelo deputado estadual Henrique Pires, discutiu na manhã desta segunda-feira (20/05), a situação das famílias desabrigadas do Parque Rodoviário, em decorrência da tragédia ocorrida no dia 05 de abril de 2019.

Deputado Henrique Pires (Foto: Vitor Sousa/Portal O Estado)

De acordo com o deputador, a demora no desenrolar de situações burocráticas, está prejudicando as famílias. “Nós temos a Assembléia aqui, nós temos o Governo do Estado com sede em Teresina, temos a prefeitura também, não podemos deixar em hipótese alguma, deixando que um desastre desse fique demorando para se chegar [a uma solução]. As pessoas não podem ficar esperando. Já passou 45 dias”, disse o deputado.

Raimunda Mendes, uma das moradoras do bairro, que também teve a casa devastada pela força da água, participou da audiência. Ela diz que os moradores querem menos conversas e mais ações efetivas.

“O que a gente quer, na verdade, é nossas casas. Algumas pessoas estão em casa de aluguel, mas não perderam suas casas, no entanto tem parede rachada, piso afundando, e no meu caso é a casa completa, não há possibilidade de voltar porque a casa está desmoronando. Aí a gente vem numa audiência dessa e fica um jogando [a responsabilidade] pro outro e resposta concreta a gente não tem.

Audiência aconteceu na sala da CCJ da Alepi (Foto: Vitor Sousa/Portal O Estado)

Ela explica ainda que que o valor que a prefeitura ajuda no aluguel, é de 300 reais, no entanto, na grande maioria dos casos, a valor a ser pago pelas casas, é de no minimo 350 reais. “Os próprios moradores estão tirando do bolso para completar”.

Secretário municipal Samuel Silveira (Foto: Vitor Sousa/Portal O Estado)

O secretário Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas, Samuel Silveira também participou da audiência e disse que o valor dado as famílias foi elevado legalmente. “Na verdade nós já majoramos esse valor. Esse é um valor que há previsão legal para o pagamento e ele não é ajustável. Era 250 reais e majoramos para 300, através de um projeto de lei. Também é preciso frisar que esse programa não foi inaugurado agora com o desastre do Parque Rodoviário, antes já tínhamos 240 famílias inseridas nesse programa”.

Dê sua opinião:

Tags

Veja também: